SCUT: Quatro formas de evitar as portagens

0

O antigo ministro das Obras Públicas João Cravinho foi o primeiro a propor portagens nas Scut, que tinham sido pensadas para não ter custos para o utilizador, mas ficou-se por aí. O governo de Sócrates apadrinhou o modelo, conquistou terreno e foi feliz na finta à oposição. O modelo de pagamento nas primeiras três Scut (Costa da Prata, Grande Porto e Norte Litoral) arrancou a 15 de Outubro, mas nem todos os portugueses se resignaram.

O que mudou no dia-a-dia dos milhares de pessoas que usavam as Scut para chegar ao trabalho? A maioria dos utentes ouvidos pelo i não encontrou outra solução que não pagar. No entanto, há quem tenha descoberto uma maneira de não aumentar o orçamento das deslocações.

Cristiana Vanzeler, de 32 anos, lembrou-se que as dez viagens de isenção para aqueles que residem nos concelhos a menos de dez quilómetros da Scut, poderiam duplicar e até triplicar. A professora vive com a família em Santa Maria da Feira, mas é obrigada a deslocar-se diariamente a uma escola em Aveiro. “Pela A29 são cerca de oito euros por dia, uma roubalheira! Pela estrada nacional demora quase duas horas, portanto arranjei uma estratégia.” Cristiana não evitou a A29, mas fez o pedido e registo do DEM (dispositivo electrónico de matrícula) nos dois carros que tem em casa e está a usufruir das dez primeiras viagens a custo zero em ambos. “Na primeira semana levei o meu, depois o outro e na terceira semana vou levar o do meu pai, que não se importa de mo emprestar.” Apenas na última semana de cada mês a professora terá de pagar pelas deslocações até Aveiro e mesmo assim irá usufruir dos 15% de desconto.

Inês Nunes, de Vila do Conde, ainda não tem o DEM, mas não pensa pagar as portagens. “A maioria das pessoas paga, mas eu não”, diz ao i a estudante de 19 anos da Faculdade de Arquitectura do Porto. A A28, que antes era a tábua de salvação dos moradores do Litoral Norte, é agora um bicho de pórticos. A N13, que seria a segunda opção, transformou-se num “monstro”, relatam alguns moradores. Porém, os “pequenos desvios”, no caso da Inês, foram benéficos. “Vou pela A28 até à saída de Mindelo, faço um desvio de cinco minutos pela aldeia e volto a entrar na Lavra”, conta a estudante, que depois segue pela A28 até ao Porto sem encontrar mais pórticos. Inês Nunes garante que é a melhor estratégia e permite poupar 95 cêntimos por viagem.

Para José António Viana, de 54 anos, não há muitas alternativas. “As auto-estradas são muito caras, a nacional é um trajecto cheio de desvios e semáforos e demora o dobro do tempo.” Ainda assim, o residente em Esposende recorda a Avenida 25 de Abril, entre a Póvoa do Varzim e Vila do Conde, que permite evitar um pórtico. “É uma boa estrada, segura e plana – tem o problema das sete rotundas.”

Não um, mas três, é o número de pórticos que José Guilherme, de 36 anos, teria de pagar diariamente se optasse pela A17. O professor desloca-se de Mira para Aveiro, mas escolheu um percurso alternativo. “Entro na A17 cinco quilómetros depois de Mira, na aldeia de Santo André. Depois saio em Vagos e sigo pela estrada nacional.” José assegura que os poucos quilómetros que acrescem ao trajecto são compensatórios no combustível. “Antigamente demorava 35 minutos, agora demoro 40 mas não pago 4,30 euros por dia.”

in Jornal i

Share.
Saiba mais sobre:   Atualidade

Leave A Reply

 

Privacy Preference Center

Estritamente Necessário

Cookies necessários para o correcto funcionamento do site.

GDPR, __stid, __unam, PHPSESSID, __cfduid

Análise Anónima

Estes cookies permitem-nos contabilizar visitas e fontes de tráfego para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Esta é uma ferramenta bastante útil, já que nos ajuda a conhecer as páginas com maior e menor popularidade, assim como a forma como os visitantes utilizam o site.

_ga, _gid, __sharethis_cookie_test__, popupally-cookie-1

Close your account?

Your account will be closed and all data will be permanently deleted and cannot be recovered. Are you sure?