Organizar a gestão de frotas da empresa em cinco passos

0

No âmbito das tarefas a desempenhar na criação e gestão de frotas empresariais, a administração de meios e gastos é uma das tarefas mais exigentes e que necessitam de maior vigilância. O portal Saldo Positivo Empresas da Caixa Geral de Depósitos ajuda a organizar as prioridades neste artigo que elenca “cinco dicas essenciais para gerir de uma forma mais eficiente a frota de viaturas ao serviço da sua empresa”.

Para muitas empresas ter uma frota de automóveis ao serviço dos seus colaboradores (técnicos, vendedores, gestores, entre outros profissionais) é uma decisão incontornável. E também dispendiosa, já que a aquisição, aluguer, gestão e manutenção das viaturas é um dos custos mais elevados a suportar pela empresa. Para manter estes gastos sempre sob controlo é essencial que a gestão de uma frota empresarial seja feita da melhor forma possível. Para isso, siga as dicas de Hugo Jorge, especialista em gestão de frotas e fundador da Fleet Magazine.

 

  1. Defina o tamanho da frota e o número de utilizadores

Para criar uma frota empresarial de raiz deve ter em conta aspetos como, o número de trabalhadores a quem atribuir automóvel, a tipologia das viaturas, as opções híbridas e amigas do ambiente, os combustíveis, os seguros. De acordo com Hugo Jorge, “a primeira questão é definir, em conjunto com o departamento de recursos humanos, quais os colaboradores que precisam de carros e para que finalidade”. A partir daí, refere, definem-se também os escalões de atribuição em função do ‘plafond’ disponível e escolhem-se os diferentes modelos à escolha. De seguida, deve ser definido o modelo de financiamento (aquisição, ‘leasing’ ou ‘renting’) e as políticas de frota, ou seja, os direitos e deveres do condutor face à viatura da empresa.

 

  1. Escolha o modelo de gestão mais adequado à sua frota

A decisão de criar uma frota implica definir se a sua gestão é interna ou com a  contratação de um serviço especializado. “Tem tudo a ver com a estratégia da empresa (muitas vezes alinhada internacionalmente) e se esta quer ou não alocar recursos internos a essa atividade”, refere Hugo Jorge, acrescentando que se trata de uma “decisão de estratégia e de dimensão” de cada empresa em particular.

 

  1. Defina o modelo de aquisição ou financiamento dos veículos

Apesar de não ser possível estabelecer qual é a opção mais comum na gestão de frotas (aquisição de veículos, ‘renting’, ‘leasing’ ou ‘fleetsharing’), porque não existem dados oficiais de quantos carros são vendidos a empresas, o diretor da Fleet Magazine identifica um padrão. “Nas empresas de média dimensão, o mais comum é o ‘leasing’ e o ‘renting’, embora existam também muitos casos de aquisição das viaturas. Por seu lado, as grandes empresas optam sobretudo pelo ‘renting’”, explica.

 

  1. Esteja atento aos custos inesperados

“A gestão de frotas é sobretudo uma atividade de gestão de custos relacionados com as viaturas”, explica o responsável da Fleet Magazine. A sua utilização implica que os custos esperados possam alterar-se. Para manter a gestão de frotas sob controlo, as empresas devem ter em conta todos os fatores relacionados com a utilização da viatura, sem exceção, e não só o seu preço de aquisição e exploração. Os custos inesperados podem surgir sob a forma de impostos,   consumo de combustível, portagens, sinistros, entre outros.

 

  1. Ponha em prática alguns truques de poupança

  • Concentre-se nos custos totais de utilização e não apenas no valor da renda ou da aquisição.
  • Tenha em atenção a desvalorização do carro, custos com pneus e seguros e negoceie sempre com todos os fornecedores.
  • Aposte na especialização de todos os condutores e em programas de condução eficiente.
  • Nunca adquira viaturas apenas pelo seu preço.
  • Ajuste as viaturas às necessidades e prazos correntes.
  • Conheça bem as regras fiscais aplicadas aos carros da empresa.

 

‘Renting’ vs ‘leasing’

O ‘renting’ é uma solução de financiamento automóvel para empresas através de um contrato de aluguer de veículos, que permite ao cliente usufruir de uma oferta integrada de serviços por um período e quilometragem pré-determinado, mediante o pagamento de uma renda mensal fixa ao longo do contrato.

O ‘leasing’ é uma operação de financiamento através da qual uma das partes (locadora) cede a outra (locatário) o direito de utilização de um determinado bem, durante um período de tempo pré-estabelecido, em contrapartida de uma retribuição (renda). No final do contrato, o locatário poderá adquirir este objeto de locação, mediante o pagamento do valor residual.

Por: Bárbara Silva | Fonte: Saldo Positivo Empresas | Fonte (imagem): Logística & Transportes Hoje

Melhore a gestão da sua frota tornando-a localizável.

Share.
Saiba mais sobre:   Gestão de Frotas, Problemas Frequentes

Leave A Reply