CTT compram 75 viaturas eléctricas

0

Os CTT querem ter em funcionamento 75 viaturas eléctricas nos centros urbanos até 2013, substituindo os veículos a gasóleo por pequenas furgonetas silenciosas e não poluentes.

A medida faz parte da estratégia de sustentabilidade e da contenção de custos da empresa. “Pretendemos reduzir a pegada carbónica da nossa frota, 3.400 veículos, e diminuir a factura anual de combustíveis, que ascende a cinco milhões de euros”, disse José Guilherme, responsável pela área de transporte do grupo, citado pelo jornal “Expresso”.

Com uma autonomia de 100km e uma velocidade máxima de 40km/hora, os veículos da marca francesa Goupil serão os primeiros a iniciar os circuitos urbanos, tendo sido os únicos com nota positiva nos testes de fiabilidade.

Actualmente, a empresa está a testar mais modelos de fabricantes diferentes.

Na opinião de José Guilherme os veículos eléctricos começam a compensar “do ponto de vista económico”, apresentando “mais autonomia e fiabilidade a um preço razoável. A diferença é que antes, “as baterias de lítio tornavam estes veículos muito caros e só aparecimento de baterias de chumbo (que têm uma duração de seis a oito anos) tomaram esta equação mais favorável”.

A aposta na sustentabilidade passa também por renovar grande parte da frota de pesados respeitando o standard EEV, por comprar bicicletas (este ano serão mais 100) e scooters eléctricas e por acções de formação em eco-condução.Além disso, a empresa quer “tentar optimizar rotas de produção”, disse Luís Paulo, responsável pela área de sustentabilidade dos CTT, ao jornal “Expresso”.

Todos estes passos se reflectem em números. O consumo médio de combustível nos CTT é actualmente de 9.2litros/100km, o que equivale a uma diminuição da factura energética em 150.000 euros no ano passado e a pegada de carbono da frota reduziu de 15,7kton de CO2 em 2007 para 14,8kton de CO2 em 2010.

in Logística Moderna

Saiba aqui como reduzir nos gastos com a sua frota, sem precisar de investir em viaturas eléctricas.

Share.
Saiba mais sobre:   Atualidade

Leave A Reply