Começou julgamento de homicídio de camionista

0

O Tribunal de Abrantes começou esta quinta-feira a julgar três jovens acusados pelo Ministério Público (MP) de homicídio qualificado de um camionista na área de serviço em Mouriscas, Abrantes, na A23, em Junho de 2010.

Segundo a acusação, o camionista Nelson Ferreira parara na estação de serviço de Mouriscas, para descansar na viagem que fazia para França. No estabelecimento, um olhar para a mesa onde estavam os arguidos terá originado uma cena de violência, com murros e bofetadas, que culminou com uma facada mortal.

A situação ocorreu cerca das 06h00 e, segundo o despacho de acusação, “os arguidos não conheciam a vítima e esta nada fez para que (…) tivesse sido sequer abordada“.

Nélson Ferreira era um cidadão que, “no pleno exercício da sua profissão de motorista, se limitou a parar numa área de serviço e se dirigiu ao estabelecimento com o único propósito de tomar um café e fazer uma pausa“, acrescenta a acusação.

Em relação aos arguidos, o despacho regista que os três jovens “actuaram em conjugação de esforços com intenção de matar Nelson, o que conseguiram, fazendo-o pelo simples prazer e vontade de causar distúrbios, denotando um total, pérfido e gratuito desrespeito pela vida humana”.

Nelson Ferreira “foi brutalmente espancado e assassinado simplesmente por ter olhado” para os três jovens, um de 19 anos, os outros dois com 23, quando saía do restaurante da área de serviço das Mouriscas, concluiu o MP, acusando-os de homicídio qualificado.

O arguido mais novo, suspeito de ser o dono da arma branca usada para esfaquear o motorista, responde ainda por um crime de detenção de arma proibida e outro de condução sem habilitação legal, por ter sido ele o condutor durante a fuga que tentaram encetar.

Após o crime, os arguidos tentaram fugir pela A23 mas já eram perseguidos por uma patrulha da GNR, tendo reagido com bastante violência à ordem de detenção.

As imagens de videovigilância ajudaram a esclarecer que Nelson Ferreira apenas se tentou defender e nunca reagiu às agressões dos jovens.

Divorciado, deixa dois filhos menores, tendo a família deduzido um pedido de indemnização cível de 485 mil euros.
O julgamento decorre sob fortes medidas de segurança.

in Correio da Manhã

Share.
Saiba mais sobre:   Atualidade

Leave A Reply