2014: um ano próspero para o setor automóvel

0

Em 2014, com a recuperação de algum poder de compra, observou-se no país uma notória retoma da aquisição de bens duradouros que teve como resultado um aumento considerável do lucro para alguns setores. Entre eles o setor automóvel que, registando um crescimento de 36,1% em relação a 2013, vendeu um total de 172 390 veículos. Desde 2011, ano marcado pelo início oficial da crise e pela chegada da Troika a Portugal, que não se vendiam tantos carros. Fazemos de seguida o resumo dos números e das marcas que mais cresceram durante o ano que passou.

Os números positivos que marcaram o sector automóvel em 2014 e as marcas mais procuradas em Portugal

Este foi o segundo ano consecutivo de franca melhoria do mercado automóvel, embora os resultados se mantenham ainda muito distantes da média de vendas dos últimos 15 anos de 253 000 viaturas/ano. Segundo os dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP), dentro do total de 172 390 veículos, a maior fatia pertence, naturalmente, aos carros ligeiros (de passageiros e comerciais), com a venda de 169 026 unidades, o que representa um aumento de 36,2% face a 2013. Também o número de pesados cresceu consideravelmente em 31,1%, com 3364 viaturas vendidas.

Tal como em 2013, a marca preferida pelos consumidores nacionais foi a Renault, tendo registado a venda de 16 319 veículos, o que equivale a uma subida de 33% relativamente ao ano anterior. Seguiram-se a Volkswagen (13 873), cuja distribuidora SIVA liderou o mercado automóvel, e a Peugeot (13 177). Embora fora deste «top três», também as marcas de luxo se posicionam muito bem no ranking das cinco mais vendidas, em especial a BMW (10 617) e a Mercedes (10 206) – ambas alcançaram os melhores resultados de sempre em Portugal.

Já as marcas que registaram o maior aumento de vendas em relação a 2013 foram a Dacia, com 3 433 unidades – uma subida de 91% em relação a 2013 – e a Seat, cujas vendas cresceram 77,2%.

Como referimos acima, a SIVA foi a distribuidora líder no mercado total de ligeiros (posição que mantém há quatro anos). Tendo atingido uma quota de 17% no mercado de passageiros e de 15,6% no mercado de veículos ligeiros, cresceu em 2014 cerca de 36% face ao ano transato, contabilizando 26 379 unidades vendidas no total das seis marcas do grupo: Volkswagen (13 873); Audi (7 954), Skoda (2 399), Bentley (4), Lamborghini (1) e Volkswagen Veículos Comerciais (2 148). Foram resultados muito positivos, com um crescimento do volume de vendas de mais de 30% para a três primeiras marcas (detentoras de quotas de mercado de 9,7%, 5,6% e 1,7%, respetivamente) e de 19% para os Veículos Comerciais Volkswagen.

Marcas de luxo com os melhores resultados de sempre

Os grupos das duas marcas de luxo alemãs presentes no ranking das cinco mais compradas alcançaram os melhores resultados de sempre a nível de vendas no país. O BMW Group Portugal, detentor dos automóveis BMW e MINI e dos motociclos BMW, cresceu 36% face a 2013, enquanto a Mercedes Portugal subiu em flecha com uma impressionante percentagem de 45%.

Presente no país há dez anos a BMW vendeu um total de 12 961 unidades, alcançando uma quota de mercado de 7,2% e liderando como marca de luxo mais vendida em Portugal. De entre os 10 617 veículos marca BMW vendidos, os modelos mais procurados foram os Série 1 (3 458 vendas), Série 3 (3 135) e série 5 (1 523). Já os motociclos, com 782 unidades vendidas, registaram um crescimento de 10% relativamente a 2013, assegurando a liderança da BMW Motorrad no segmento de motos acima de 750cc com uma quota de 40%. Com a venda de 1 550 unidades, os automóveis MINI incrementaram em 25% as vendas, sendo as versões mais procuradas o 3 Portas (645 veículos vendidos), Countryman (544) e Paceman (120).

Na Mercedes, o total de automóveis comercializados em 2014 foi 10 206, o que equivale a uma quota de mercado de 7,1%, a segunda maior da marca a nível europeu (depois da Alemanha). Os modelos mais desejados foram o Classe A (3 093 veículos comercializados), e no segmento compacto, que atingiu uma venda de 5 551 unidades, o Classe B (910), o CLA (806) e o GLA (742). Decisivo para o sucesso da marca, que apresentará este ano dois SUV e novidades em alguns modelos clássicos, foi o crescimento das frotas, já que 42% do total foi feito ao segmento empresarial. Também a marca Smart obteve bons resultados, com a venda de 1 430 unidades, o equivalente a 1% da quota de mercado.

Dados colhidos de Dinheiro Vivo e Jornal de Negócios

Fonte (imagem): Dinheiro Vivo

Share.
Saiba mais sobre:   Artigos, Atualidade, História e Evolução

Leave A Reply